sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Dentro, o Sol

Escorre em torrente
Do seu corpo quente
Salgado suor!

Sinto estremecer
Seu langor nascer
Seu corpo maior!

Tênue o seu lábio
Em um agir sábio
Recosta-se em mim

Desliza a sua mão
À inferior região
Toca meu jardim

Mergulha o regato
Mergulho insensato!
E quer se fartar

Arde-nos, é Febo
No verão te bebo
Devoro! Em meu mar!

Carolina Rieger Massetti
17/07/2008

2 comentários:

  1. Faz quase 100 anos que os poemas deixaram de ser tão encantadores.
    Adorei mesmo!!!

    ResponderExcluir